sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Confissão de Lula em comício ontem abala os alicerces da democracia!

Ontem, enquanto o couro comia lá no Senado, Lula estava ao vivo na TV CUT (pasmem, isso existe!), direto dos estaleiros Mauá, falando pra pelegada do pão com mortadela, e fez uma espantosa revelação-confissão que eu selecionei de um discurso quilométrico. 

Vejam, tem só 13 segundos.

video

Beluzzo, mais um analfabeto petralha

Parabéns, senhor Luiz Gonzaga Beluzzo, o senhor está abZolutamente certo! Como o senhor afirmou em seu depoimento no Senado hoje, é um abZurdo confundir pedaladas com subZídios.

Um idiota que mal sabe balbuciar, que já foi punido até pelo Conselho Deliberativo do Palmeiras por má gestão com suspensão do clube por um ano por ter suas contas reprovadas pelo órgão no fim da sua gestão, em 2010, é hoje uma das testemunhas da defesa no Senado, apesar de ter assinado um manifesto contra o impeachment

Enquanto isso, Júlio Marcelo de Oliveira, foi rebaixado a informante.

Se eu mostrar um dicionário para essa gente vão dizer que é tentativa de homicídio! Se eu mostrar o Código Penal, é tentativa de homicídio qualificado.

Pasmem senhores: O Brasil está impedido de exportar carne para 30 países porque há cinco anos não preenche formulários burocráticos

É impressionante como os membros do PT conseguem aliar a desonestidade à incompetência e, com tanta naturalidade, depois dizer que fizeram os melhores governos da história deste País.

Veja

Pouco depois de assumir o ministério da Agricultura, Blairo Maggi, fez uma reunião com adidos agrícolas de outros países. O ministro revelou sua intenção de estreitar relações comerciais e dar vazão a produtos brasileiros. Em meio à reunião, foi interrompido pelo representante da Tailândia. O adido disse que adora a carne brasileira e que seu país queria muito comprar o produto.

Ao ouvir o tailandês, o ministro questionou porque seu país não estava comprando carne brasileira. A resposta o surpreendeu: há cinco anos a Tailândia aguarda que o ministério da Agricultura responda um formulário burocrático para liberar as exportações.

De volta ao ministério, Maggi descobriu que o Brasil não pode exportar carne a outros 30 países pois sua pasta simplesmente não respondeu aos formulários.

O ministro determinou a realização de um mutirão para zerar o estoque a ampliar exportações.

Breve troca de palavras com um luminar petralha

Eu fui no Facebook do Rui Falcão para contestar uma ofensa dessa múmia, chamando os senadores pró-impeachment de sem vergonhas. O que eu disse a ele não teve a mínima importância diante do que escreveu esse luminar que me contestou:

Dorival Siqueira - o meu amigo , vc esta tão errado , mas tão errado que pensando assim , você comprova mais ainda o golpe , não esta julgando a popularidade e sim crimes , se 4 pessoas disserem que vc roubou , vc vira ladrão é isso ? serão 4x1 para os acusadores mas cade as provas ? vamos exercitar o celebro ? pense um pouco

Ricardo Froes - PORRA, CELEBRO???? Eu só vou celebrar depois da Dilma cassada, caro analfabeto! Você acabou de demonstrar o que eu já tinha certeza: os petistas têm um "CELEBRO" - que é exatamente um monte de matéria fecal - no lugar do CÉREBRO.

Aí eu pergunto: dá para discutir com esse lixo de gente? 

Ruim com Temer, pior sem ele

É preciso dar força a Michel Temer, por ser a única alternativa de que o país dispõe

Carlos Newton

Conhecida como “Ilha da Fantasia”, Brasília faz jus à fama. É o paraíso dos boatos, do vazamento de informações e da plantação de notícias. Às vésperas da confirmação do impeachment da presidente Dilma Rousseff, a capital da República já vive a expectativa do dia seguinte. A crise política, econômica e social é devastadora e o tal plebiscito para Dilma convocar eleições não consegue ser aceito nem mesmo pelo PT. Não há opção no momento e a alternativa que resta aos cidadãos de boa vontade é dar força ao governo Temer e contribuir para tirar o país desse atoleiro, uma missão nada fácil.

Temer não é nenhum grande líder popular, mas deve-se reconhecer que está indo bem nesse governo provisório, na medida do possível, com uma base parlamentar inconsistente e que começa a sofrer boicote por parte do PSDB e do DEM, já preocupados com a eleição presidencial de 2018.

Deve-se reconhecer também que Henrique Meirelles, embora represente o sistema financeiro, é o nome mais indicado para conduzir a economia em meio a esse vendaval, e justamente por isso o próprio Lula da Silva tentou repetidas vezes  lhe entregar essa tarefa, mas a então presidente Dilma jamais aceitou.

Assim como Temer é muito  melhor do que Dilma, sem dúvida Meirelles se mostra incomparavelmente superior a Antonio Palocci, Guido Mantega, Joaquim Levy e Nelson Barbosa, seus antecessores.

Lembro de um bom amigo, o juiz Francisco Horta. Ele  era presidente do Fluminense, criou um lema sensacional para levantar o moral do time e deu certo – “Vencer ou vencer”. É só o que resta aos brasileiros, nesta fase tenebrosa, para possibilitar o país possa sair da UTI econômica e respirar sem aparelhos, digamos assim.

Por enquanto, não há alternativa. O Brasil tem de dar força ao governo. Mas tudo tem limites. A opinião pública precisa estar atenta e atuante para evitar exageros nas reformas da Previdência Social e das leis trabalhistas. Afinal, os trabalhadores não são culpados pela derrocada econômica. Muito pelo contrário, são as principais vítimas e não podem continuar a ser penalizados.

O poder público – Executivo, Legislativo e Judiciário – é que deveria dar o exemplo, mas as autoridades não se mostram interessadas pelo bem comum; sempre demonstram maior preocupação com os interesses próprios.

O fato – concreto e indiscutível – é que o Brasil vive hoje também uma crise de lideranças, sem a menor expectativa de que até 2018 surja algum político confiável, realmente voltado para melhorar a qualidade de vida do povo, reduzir as desigualdades  e ampliar a justiça social.

Basta dizer que o maior líder brasileiro se chama Lula da Silva, apesar de todos os crimes cometidos e da degradação moral de sustentar com recursos públicos a própria amante, dando a ela um emprego altamente remunerado como chefe de Gabinete da Presidência da República, com direito a cartão corporativo e a viagens internacionais ao lado do generoso e romântico chefe do governo.

Mesmo com esse currículo grotesco e com as demonstrações de enriquecimento ilícito dele e da família, Lula continua a liderar as pesquisas de opinião para as eleições presidenciais de 2018. É por isso que se torna absolutamente necessário que os cidadãos de boa vontade demonstrem apoio ao impeachment de Dilma Rousseff, porque Michel Temer é a única alternativa de que o país dispõe, na fase nebulosa que vivemos, para evitar a volta de Lula.


Tem Dia dos Amantes, da Psoríase, da Revolução Espiritual, do Acarajé...

Vejam só o que já existia de datas comemorativas oficiais no Brasil em 2012, segundo documento da própria Câmara dos Deputados - hoje deve ter o triplo. Eles não devem ter atualizado a lista por estarem sempre muito ocupados...

Quiuspariu!, como trabalham nossos congressistas!

Em ordem alfabética:

Abolição da Escravatura no Brasil, Abreugrafia, Ação de Graças, Aço, Administrador de Empresas, Administrador Pessoal, Adoção, Adultos, Advocacia Pública, Advogado, Aeroporto, Aeroviário, Aeroviário, Agente Comercial, Agente Comunitário de Saúde, Agente de Defesa Ambiental, Agente Fiscal, Agente Marítimo, Agricultor, Agricultura, Agrimensor, Agrônomo, Água, Alfabetização, Alfaiate, Alimentação, Alzheimer- Conscientização, Amamentação, Amantes, Amazônia, Ambiente em Tempo de Guerra, Américas, Amigo - internacional, Amigo - nacional, Amizade, Amizade Argentino-Brasileira, Amor, Anchieta, Anestesista, Animais, Anistia, Anunciante, APAEs, Apicultor, Aposentado, Aquicultura, Araucária, Arqueólogo, Arquiteto, Arquitetura, Arquitetura, Arquivista, Artes, Artesão, Artista, Artista Plástico, Artista Profissional, Árvore, Árvores- Festa Anual das, Assistência Humanitária, Assistência Social, Astronauta, Atleta, Atleta Amador, Atleta Paraolímpico, Atletismo, Ator, Auditor Interno, Auditor-Fiscal do Trabalho, Autismo- Conscientização do, Automóvel e da Estrada, Ave, Aviação Agrícola, Aviação Civil, Aviação de Caça, Aviação de Segurança, Aviador, Avicultor, Avicultura, Avós, Baiana de Acarajé, Balconista, Banana, Bancários, Bandeira Nacional, Bandeirante, Barbeiro, Barbeiro, Barman, Basquete, Beijo, Bíblia, Bíblia Católica, Bibliotecário, Bibliotecário, Biodiversidade, Biólogo, Biomédico, Bombeiro, Bossa Nova, Botânica, Brasileiro, Brasília, Bruxas, Buda Shakyamuni, Bumba Meu Boi, Caatinga, Cabeleireiro, Caboclo, Café - internacional, Café - nacional, Calcário Agrícola, Camada de Ozônio- Preservação da, Câmara Júnior, Caminhoneiro, Campo, Campo Limpo, Câncer - contra o, Câncer- Combate ao, Câncer- contra o, Câncer de Mama- Luta contra o, Câncer Infantil- Combate ao, Canhoto, Cantor, Cão, Capoeirista, Caridade, Carpinteiro, Carreteiro, Carteiro, Cartéis- Combate a, Cartógrafo, Casal, Catequista, Catequizando, Cavalaria, Cego, Ceramista, Cerealista, Cerimonialista, Cerrado, Choro, Cidadania, Ciência, Ciência e Tecnologia, Ciência pela Paz e pelo Desenvolvimento, Cigano, Cinema Brasileiro, Circo e do Artista Circense, Citricultor, Clubes, Clubes Esportivos Sociais, Colono, Colunista Social, Comerciante, Comerciários, Comércio, Comissário de Bordo, Comissário de Menores, Comissário de Voo, Compositor - mundial, Compositor - nacional, Compositores e Cantores Sertanejos, Comprador, Compreensão Mundial, Comunidade árabe, Comunidade Britânica, Comunidade Libanesa no Brasil, Comunidade Luso-Brasileira, Comunidade Ucraniana, Confraternização Universal, Consciência Nacional, Consciência Negra, Conselheiro Tutelar, Consertador, Conservação do Solo, Conservador, Consumidor- Dia Nacional do, Consumidor- Direitos do - mundial, Contabilista, Contador, Contato Publicitário, Contribuinte - Respeito ao, Controlador de Tráfego Aéreo, Cooperativismo - internacional, Cooperativismo - nacional, Cooperativismo de Crédito, Correio Aéreo Nacional, Correios - mundial, Correios e Telégrafos, Corretor, Corretor de Imóveis, Corretor de Seguros, Corrupção- contra a, Cozinheiro, Criança, Criança - universal, Criança Desaparecida- Mobilização, Criança- Pastoral da, Criança- Pastoral da, Criança- Universal da, Crianças Doentes, Crianças e Adolescentes- Combate, Crianças Vítimas de Agressão, Cruz, Cruz Vermelha, Cruz Vermelha Brasileira, Cultura e Ciência, Datilógrafo, Datiloscopista , Datiloscopista Brasileiro, Decoração, Defensoria Pública, Deficiente Físico, Democracia - internacional, Democracia - nacional, DeMolay, Dengue- Combate ao, Dentista, Depilador, Desaparecidos, Desarmamento Infantil, Desbravador, Descobrimento do Brasil, Desenhista, Desertificação e à Seca, Design, Desporto, Deus, Devoluções, Dia Internacional para o Direito, Diabetes- Combate ao, Diagramador, Diagramador, Diário Oficial , Diplomata, Direitos das Pessoas com Doenças, Direitos Humanos, Direitos Humanos - Graves Violações dos , Diretor da Escola, Discriminação Racial- contra a, Distribuidor de Insumo, Diversidade Cultural para o, Diversidade Cultural para o Diálogo, Doação de Medula Óssea, Doação de Órgãos, Doação do Leite Humano, Doador de Sangue, Doador Voluntário de Sangue, Doping nos Esportes- Dia Nacional, Drogas - Semana Nacional, Drogas- contra o Uso e, Ecologia, Economiário, Economista, Educação, Educação Ambiental, Educação Básica- Censo Escolar da, Educação Infantil - Dia Nacional da, Educação Infantil- Dia Nacional da, Educação Infantil- Semana, Educador Sanitário, Eletricista, Eletricitário, Empregada Doméstica, Empregado Hoteleiro, Empresário Brasileiro, Empresário Contábil, Encarcerado, Enfermeiro, Enfermo, Engenharia Militar, Engenheiro, Engenheiro Agrônomo, Engenheiro de Saneamento, Engenheiro Eletricista, Engenheiro Florestal, Engraxate, Enxadrista, Equoterapia, Escola, Escoteiro, Escravidão , Escritor, Esperança, Esportista, Esteticista, Esteticista, Estivador, Estrada de Rodagem, Estudante - internacional, Estudante - nacional, Evangélico, Excepcional, Ex-Combatente, Exército Brasileiro, Expedicionário, Extensionista Rural, Família - internacional, Família - nacional, Família na Escola, Família- Valorização da, Farmacêutico, Fazendeiro, Feirante, Ferroviário, Fibrose Cística- Conscientização, Filatelista Brasileiro, Filosofia, Finados - Feriado Nacional, Fiscal Federal Agropecuário, Fisioterapeuta, Florestas- Proteção às, Florista, Folclore, Fonoaudiólogo, Fontes Radioativas, Força Aérea Brasileira, Forró, Fotografia, Fotógrafo, Fraternidade Brasileira, Frei Sant’Anna Galvão, Frevo, Fumo- Combate ao, Funcionário Policial Civil, Funcionário Público Aposentado, Futebol, Fuzileiro Naval, Garçom, Gari, Garimpeiro, Geólogo, Glaucoma- Combate ao, Goleiro, Gráficos, Gratidão, Guarda Municipal, Guarda-Civil, Habitação, Habitat, Hanseníase- Combate, Hemofílico, Hemoglobinopatias, Hepatites- contra as, Hidrógrafo, Hino Nacional Brasileiro, Hipertensão Arterial, Hispanidade, Historiador, Homeopatia e Homeopata, Homofobia - Combate à, Hospital, Hoteleiro, Ibgeano - Estatístico e Geógrafo, Idoso, Imigração Japonesa, Imigração Judaica, Imigrante, Imigrante Italiano, Imprensa, Imprensa- Liberdade de - mundial, Incêndios, Incentivo ao Diagnóstico, Inclusão Social, Independência, Índio, Índios, Indústria, Indústria Automobilística, Indústria Gráfica, Infância, Infecções Hospitalares- Controle das, Informação sobre Desenvolvimento, Injustiça, Inovação, Instalador Hidráulico, Integração Cooperativista, Integração Jurídica Latino-Americana, Intolerância Religiosa- Combate à, Inventor - nacional, Jardineiro, Joalheiro, Jornaleiro, Jornalista, Jovem, Juiz Trabalhista, Justiça, Justiça Social, Juventude, Juventude Missionária, Lapidador, Lavrador, Lavrador Carioca, Legalidade, Lei, Leishmaniose- Semana Nacional, Leitor, Leitura, Leitura e Literatura, Lembrança, Liberdade de Cultos, Liberdade de Pensamento, Líder Comunitário, Língua Materna, Língua Portuguesa, Livro, Livro Didático, Livro e da Biblioteca, Livro e dos Direitos Autorais, Livro Infantil, Livro Infantojuvenil, Luto, Mães, Mágico, Magistrado, Malária- Combate à, Mamografia, Manequim, Manicure, Maquiador, Maquinista Ferroviário, Mar, Marinha, Marinha Mercante, Marinheiro, Marítimo Mundial, Massagista, Mata Atlântica, Mauá, Mecânico, Medicamento- Luta por, Médico, Médico Legista, Meio Ambiente, Mentira, Meteorologista, Mídia, Migrante, Migrante - internacional, Ministério Público, Missões, Montanha, Motociclista, Motorista, Movimento Municipalista Brasileiro, Movimento Pestalozziano no Brasil, Mudanças Climáticas, Mulher - internacional, Mulher - nacional, Mulher- Eliminação da Violência Contra a, Mulher- Igualdade da, Mulher Rural, Mulheres- Mobilização dos Homens, Museólogo, Museus, Música, Música Clássica, Música Popular Brasileira, Musicoterapeuta, Nações Unidas, Namorados, Natação, Natal, Navegação, Normalista, Notário e Registrador, Nutricionista, Obesidade- Prevenção da, Obstetra, Oceanos, Office-Boy, Oficial de Farmácia do Brasil, Oficial de Justiça, Oftalmologista, Oração, Oração pela Paz, Órfão, Organizações Populares, Orgulho Gay - internacional, Orquidófilo, Ostomizados, Ouvidor, Pacifismo Ativo, Padeiro, Padroeira do Brasil, Pais, Paisagista, Paleontólogo, Palhaço, Pan-Americano, Papa, Paraquedista, Parlamento, Pároco, Pátria, Patrimônio Audiovisual, Patrimônio Histórico, Patrono da Nação Brasileira, Patrulheiro Rodoviário, Paz, Peão Boiadeiro, Pecuária, Pecuarista, Pedicure, Pedreiro, Penitência, Perito Criminal, Pescador, Pescador Amador, Pesquisador, Pessoas com Deficiência, Petróleo, Petróleo Brasileiro, Petroquímico, Pintor, Pirataria e à Biopirataria- Combate à, Piso Salarial dos Professores, Pizza, Plano Nacional de Educação, Pobreza- Combate à, Pobreza- Erradicação da, Poesia - mundial, Poesia - nacional, Poeta, Polícias Civis e Militares, População, Porteiro, Portuário, Povos Indígenas, Povos Indígenas- Luta dos, Povos Indígenas- Luta dos, Prefeito, Previdência Social, Proclamação da República, Professor - nacional, Professores - mundial, Profissionais de Nível Técnico, Profissional de Educação Física, Profissional de Marketing, Profissional de Propaganda, Profissional Liberal, Progresso, Propaganda, Propagandista de Laboratório, Propriedade Intelectual, Protesto, Protético, Psicólogo, Psoríase- Combate à, Publicitário, Quadrilheiro Junino, Quadrinhos, Queimaduras- Luta contra, Quilo, Químico, Raça, Racismo- Combate ao, Radialista, Rádio, Radioamador - mundial, Radioamador - nacional, Radiodifusão, Radiologista, Reciclagem, Redução de Desastres Naturais, Reforma, Reforma Agrária- Luta pela, Refugiado, Reggae, Relações Públicas, Repórter, Repórter Fotográfico, Representante Comercial, Reservista, Retinoblastoma- Conscientização, Revendedor, Revisor, Revista, Revolução Espiritual, Riso, Rock, Rotary, Sacerdócio, Sacerdote, Salva-Vidas, Samba, Santa Infância, Santas Casas de Misericórdia, Sapateiro, Saudade, Saúde - mundial, Saúde - nacional, Saúde Bucal, Saúde Mental, Saúde- Pan-Americano da, Secretária, Securitário, Segurança e da Saúde, Seguro, Selo Postal Brasileiro, Sem Tabaco, Sertanejo, Serventuário, Servidor Público, Silêncio, Silvicultura, Símbolos Nacionais, Síndico, Sistema Braille, Sociedade dos Amigos do Bairro, Sogra, Sogro, Soldado, Soldado Desconhecido, Soldador, Solidariedade Humana, Solista, Solteiro, Suinocultor, Supermercado, Supervisor Educacional, Surdo-Mudo, Surdos, Taquígrafo, Taxista, Teatro - mundial, Teatro - nacional, Teatro Amador, Teatro para a Infância e Juventude, Técnico Agropecuário, Técnico de Segurança do Trabalho, Técnico em Eletrônica, Técnico Imobiliário, Telecomunicações, Telefonista, Telegrafista, Televisão - mundial, Televisão - nacional, Tenista, Terra, Teste do Pezinho, Testes Nucleares- contra, Tintureiro, Todos os Santos, Tolerância, Tortura- contra a - internacional, Trabalhador nas Minas de Carvão, Trabalhador Rural, Trabalhadores em Serviços, Trabalhadores Metroviários, Trabalho - Feriado Nacional, Trabalho Escravo- Combate ao, Trabalho Infantil, Trabalho- Segurança e da Saúde no, Tradutor, Transatlântico de Escravos, Trânsito- em Memória, Transportador Rodoviário, Treinador de Futebol, Tribunais de Contas do Brasil, Trigo, Trombose- Combate e Prevenção à, Trovador, Tuberculose- Combate à, Turismo - mundial, Turismo - nacional, Turismo- Bacharel em, Turismo Ecológico, Turismo- Pan-Americano de, Turista, Umbanda, Unidade Humana, Universidade, Urbanismo, Vacinação, Vaqueiro, Vaqueiro Nordestino, Velocidade, Vendedor, Vendedor de Livro, Vendedor Lotérico, Vereador, Veterinário, Vicentinos, Vidreiros, Vigilante, Violência- pela Não, Visão - mundial, Vitiligo- Portadores de, Viúvas, Vizinho, Vizinho, Vocações, Vocações Legais, Vocações Sacerdotais, Voluntariado, Voluntário para o Desenvolvimento, Voz, Zelador, Zootecnista, Zumbi e da Consciência Negra. 

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Marcos Valério vai depor ao juiz Sérgio Moro e reviver o caso Celso Daniel

Andrei Meireles - Os Divergentes

A expressão tempestade perfeita era apenas a descrição de um fenômeno meteorológico de grandes proporções causado por uma inusitada confluência de fatores. Na última década, esse conceito caiu como uma luva para explicar desastres políticos e crise econômicas mundo afora, resultantes de raras combinações de circunstâncias.

Ali e aqui, a gente usou essa expressão em cenários que anteciparam a abertura, o processo e o julgamento do impeachment da presidente Dilma Rousseff. A cassação de Dilma é apenas o epílogo de uma novela menor que chega ao fim.

O grande drama tem como personagens Lula e o PT, partido criado com o propósito de combater as promíscuas relações entre as elites econômicas e a política brasileira. Ao romper esse berço de corrupção, abriria a oportunidade para a redução das desigualdades sociais e a promoção da cidadania.

INTENÇÃO E GESTO – Em Fado Tropical, Chico Buarque de Holanda consagrou a diferença entre intenção e gesto. O PT fez mais. O gesto se tornou o maior inimigo da intenção. Esse é o filme que todos assistimos nos últimos anos, montado a partir de fragmentos expostos ao longo da história do PT.

Nessa sexta-feira (19), a Justiça de Minas Gerais autorizou que Marcos Valério Fernandes de Souza vá a Curitiba depor para o juiz federal Sérgio Moro. Será no dia 12 de setembro, por coincidência a mesma data marcada para o julgamento de Eduardo Cunha pelo plenário da Câmara dos Deputados.

Marcos Valério foi o principal operador privado do escândalo do Mensalão. Foi também o último a acreditar que na hipotética vigésima quinta hora seria salvo pelo esquadrão político que controlava a máquina do poder.

OPERAÇÃO CALA A BOCA – Quando a ficha finalmente caiu, Marcos Valério resolveu entregar uma nova carta: a operação cala boca para que nada fosse revelado sobre os motivos reais do assassinato de Celso Daniel, o prefeito de Santo André escalado para ser o coordenador da campanha de Lula à Presidência da República, em 2012.

Nessa frustrada tentativa, Marcos Valério chegou a prestar um depoimento, tido como relevante por alguns e tardio pela maioria. Pois bem. A Operação Lava Jato comprovou tintim por tintim o que Valério contou no depoimento, ao investigar negociatas e empréstimos fraudulentos entre a Petrobras, o grupo Schahin, o compadre de Lula José Carlos Bumlai e o empresário Ronan Maria Pinto – dono do Diário do Grande ABC e apontado como cúmplice do esquema petista na cidade.

Marcos Valério em Curitiba traz à cena os três grandes fantasmas da história petista: a morte de Celso Daniel, o escândalo do Mensalão, e o assalto aos cofres da Petrobras. Tudo junto e misturado. A rigor, a tempestade perfeita.

Toffoli vai ajudar Gleisi Hoffmann a invalidar provas contra ela. Isso pode, Arnaldo?

Dias Toffoli aceitou pedido de Gleisi Hoffmann para ingressar como assistente da Mesa do Senado na reclamação contra a busca e apreensão em seu apartamento funcional.

Toffoli ignorou parecer da PGR.

Gleisi alega usurpação da competência do Supremo pelo juiz da Sexta Vara Federal de São Paulo, que autorizou a Operação Custo Brasil. O objetivo da petista é um só: invalidar as provas obtidas em seu apartamento.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Deputados federais gastam o dinheiro do contribuinte em despesas pessoais

A matéria é sobre os deputados por Minas Gerais, mas a mesquinharia é nacional.

O Tempo

De farinha “seca-barriga” a chocolates “língua de gato”. Esses são apenas alguns dos itens consumidos por deputados federais eleitos por Minas e que são pagos com o dinheiro do contribuinte. As despesas também incluem refeições sofisticadas, centenas delas nos fins de semana e nos feriados, em restaurantes não só nas cidades que são bases eleitorais dos parlamentares, mas também no litoral e na Serra Gaúcha. Há ainda contas que indicam o pagamento de passagens e refeições para terceiros, inclusive no mesmo dia e horário, em Estados diferentes.

Com salário de R$ 33,7 mil, suficiente para cobrir despesas pessoais, vários deputados optam pelo uso da Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap). De janeiro a julho deste ano, os deputados federais mineiros pediram R$ 11,7 milhões de ressarcimento da cota. Esse benefício extramensal de R$ 36 mil, criado para apoiar ações dos parlamentares, tem sido usado para financiar despesas questionáveis, se não do ponto de vista legal, pelo menos do ponto de vista ético.

Um exemplo vem do deputado Aelton Freitas (PR), que usou a verba para pagar sua primeira refeição do ano, em Camboriú (SC), uma das mais concorridas praias do Sul do país. No almoço pós-réveillon, ele gastou R$ 145,40 em salmão, petit gâteau e outros itens. A assessoria do parlamentar afirmou que o pedido de reembolso está regulamentado pelo Ato da Mesa nº 43/2009. “Aelton Freitas é parlamentar em tempo integral, e isso lhe confere o ressarcimento com alimentação”, explicou a assessora, ao ser questionada se o deputado estava a serviço.

EXERCÍCIO DO MANDATO – Segundo a Câmara Federal, o Ato 43/2009 prevê entre gastos passíveis de reembolso passagens, fretamento de aeronaves, táxi, estacionamento, hospedagem, consultorias, divulgação de atividade e alimentação. “Desde que sejam vinculados ao exercício do mandato”, diz nota enviada a O Tempo.

A norma, no entanto, tem brechas para permitir certas despesas. Os gastos, segundo a Câmara, podem ser efetuados, independentemente do dia da semana, em qualquer parte do país. “Os itens que podem ser incluídos nas despesas com alimentação não são especificados, mas o normativo estabelece que não será objeto de ressarcimento o gasto com certos gêneros alimentícios, couvert artístico, bebidas alcoólicas e embalagens (quentinhas)”, informa o texto.

Dentro dessa lógica, o consumo de parte dos deputados, que acumula notas de bares e restaurantes nos fins de semana, está dentro dos preceitos da Casa. Levantamento feito pela reportagem, porém, encontrou gastos inusitados, como a compra de chocolates “língua de gato” e “nhá benta” por R$ 60,50, pelo deputado Carlos Melles (DEM). Após ser questionado, o gabinete admitiu o erro e estornou o valor.

“SECA BARRIGA” – Eduardo Barbosa, do PSDB, incluiu na mesma nota de sua refeição uma porção de farinha “seca-barriga”, produto voltado para perda de peso. O parlamentar alegou fazer uso de produtos similares por recomendação médica, já que possui problemas de saúde. Quem parece ter iniciado uma dieta é Dimas Fabiano (PP), que gastou uma média de R$ 1.000 por mês em refeições congeladas light. Sem ver problemas, a assessoria disse que o pepista opta por almoçar no próprio gabinete.

A Câmara dos Deputados informou que cabe ao deputado responsabilizar-se pela compatibilidade do gasto com a legislação, fato que atesta expressamente mediante declaração escrita.

O uso da verba indenizatória para compra de passagens e hospedagem é restrita apenas a deputados federais e seus assessores. No entanto, em pelo menos duas ocasiões neste ano a namorada do tucano Caio Narcio, Ana Lucília Reis, apareceu em notas de bilhetes aéreos e diárias de hotel como acompanhante do parlamentar. A assessoria de Caio Narcio atribuiu os casos a um erro da própria equipe do gabinete e prometeu devolver os valores.

NA SERRA GAÚCHA – Já Stefano Aguiar (PSD)passou um fim de semana de maio nas cidades de Gramado e Canela, na Serra Gaúcha, onde gastou em restaurantes valores de refeições para duas pessoas. A reportagem não conseguiu falar com o deputado.

Além de frequentar os mais conceituados restaurantes de Belo Horizonte, Fábio Ramalho (PMDB) pediu reembolso de R$ 1.605 da passagem entre Porto Seguro (BA) e Recife (PE), no dia 8 de janeiro. Até o fechamento desta edição, Ramalho não se posicionou sobre o motivo da viagem no recesso parlamentar.
Ademir Camilo (PTN) costuma gastar com várias refeições aos sábados e domingos e apresentou no mesmo dia, 2 de abril, em horários próximos, duas notas referentes a refeições, só que uma delas em São Luiz (MA) e outra na capital mineira. Ele não retornou o contato.

O deputado Renzo Braz (PP) apresentou notas de alimentação em Guarapari e Marataízes, litoral do Espírito Santo. Do mesmo partido, Pastor Franklin Lima fez refeições em Bertioga, cidade praiana no interior de São Paulo, e nos municípios baianos de Catolândia e Barreiras, onde também se hospedou em janeiro deste ano. Em ambos os casos, apesar das diversas tentativas de contato com os deputados federais, a reportagem não conseguiu retorno dos pepistas mineiros.

ATÉ MANOBRISTA – Na lista de itens incluídos pelos deputados nos pedidos de reembolso estão serviço de manobrista, couvert artístico, consumo no bar da piscina de um hotel e até bebida alcoólica. Essa última foi consumida pelo assessor do deputado Subtenente Luiz Gonzaga Ribeiro (PDT) durante estadia no Rio de Janeiro.

Margarida Salomão (PT), junto a três assessores, apresentou nota de consumo no valor de R$ 230 no “bar da piscina”, segundo o comprovante do hotel em que se hospedou também na capital fluminense. O motivo da viagem, de acordo com a assessoria da deputada, foi a participação da equipe em atividade de capacitação e formação política.

Em uma das muitas despesas do Delegado Edson Moreira (PR) pelas pizzarias da capital, houve  gasto até com serviço de manobrista. Também adepto das pizzas, o correligionário Bilac Pinto disse que se encontrava em trânsito para BH, após realizar viagens em municípios de sua base. Adepto da comida japonesa, Leonardo Quintão (PMDB) também disse que atende sua base nos fins de semana. Por fim, deputados como Saraiva Felipe (PMDB) e Dâmina Pereira (PSL) gastam valores altos com refeições, sendo que as notas não trazem o detalhamento dos itens consumidos.


Lamber sabão

Ruy Castro

Ninguém teve dor de barriga por velejar na baía, remar na Lagoa ou nadar do Leme ao Posto 6.

Ninguém foi picado por um pernilongo. Ninguém perdeu um avião. Ninguém ficou engarrafado mais do que o normal. Ninguém morreu de um croquete ou pastel. Os que subiram os morros, em busca de uma feijoada na laje ou de algo mais letal, voltaram de lá ilesos.

As instalações foram entregues a tempo. Nenhum equipamento deu xabu, nenhuma prova atrasou, nenhum atleta espetou o pé em um prego. Os tapumes que nos cercaram durante anos caíram e surgiu uma cidade nova até para os nativos - cidade esta que, filmada de todo jeito, deu um show para bilhões. E as TVs, ocupadas com o que se passava nas arenas, só mostraram uma fração da festa nas ruas.

Entre os números impossíveis de contabilizar, há o de beijos entre locais e visitantes que se conheceram na praia ou no botequim - não admira que 87,7% dos visitantes estrangeiros e 94,2% dos brasileiros tenham dito que pretendem voltar. De selfies que tiveram como cenário algumas das vistas mais espetaculares do mundo. E do dinheiro de negócios fechados nas festas que incendiaram as coberturas da avenida Vieira Souto todas as noites.

Os piores vexames vieram dos americanos. A começar pela goleira Hope Solo, que, ainda nos EUA, posou fantasiada para se proteger do vírus da zika que fatalmente contrairia aqui. Mas só contraiu um frango numa partida de seu time e voltou para casa mais cedo. Depois, um repórter travestido de gourmet tachou o biscoito Globo de sem graça - talvez por não tê-lo asfixiado com ketchup, como se faz com tudo que se come nos EUA. E terminou com o papelão de Ryan Lochte, o nadador mijão.

Vendo todo o seu pessimismo contrariado, só resta aos profetas da derrota lamber sabão.

Burrice minha

Meu PC pegou um raio de um vírus intermitente que andou me impedindo de publicar postagens normalmente. Burrice minha. Eu comprei o Avast e não uso.

Formatei ontem e estou reinstalando tudo hoje. Amanhã tudo se normaliza.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Olavo de Carvalho agride a inteligência alheia

A bola da vez são os “milagres”. Olavo já começa chamando de burro quem usa a ciência para “confirmá-los ou para negá-los”, “esquecendo-se” que se a ciência os confirma, eles deixam de ser “milagres”.

Então vamos lá. Quem tem - digamos - autoridade para confirmar e negar milagres, na opinião do Olavo? Qual é a qualificação necessária para que essas autoridades tenham esse poder?

Para começar, milagres têm donos: as religiões de quem supostamente os realiza. Quem avaliza milagres católicos é o próprio clero, quem confirma milagres espíritas são os médiuns, quem avaliza milagres protestantes são os pastores, e por aí afora. Nesse aspecto, o catolicismo até que é aparentemente bem mais criterioso, simulando estudos, pesquisas, consultando testemunhas, enfim, fazendo uma mise en scene digna de constar dos livros de Don Brown, mas é a única que eventualmente os nega. Já as outras duas crenças citadas, a confirmação é tácita e imediata, não havendo sequer contestações - uma unha encravada que para de doer já é um milagre.

Mas como Olavo é estúpido o suficiente para crer que não há outros caminhos entre a Terra e o Céu que não sejam os do seu Jesus particular e do seu catolicismo enviesado, ele só acredita nos milagres com a firma reconhecida pelo Vaticano, como o do tal Padre Pio que, segundo ele, fez uma menina sem pupilas enxergar.

Olavo é patético! Se a pupila é o único buraco responsável pela passagem da luz exterior até a retina, a responsável pela formação de imagens, ou seja, pelo sentido da visão, a menina pode tudo, até ter adquirido alguma espécie de percepção extrassensorial (percepção objetos independentemente de seus órgãos sensoriais), menos enxergar!

Sobre “trazer um morto de volta à vida”, eu nem vou comentar. O sujeito se arvora em sábio e até teria conhecimentos para tal, dada à sua memória, mas está longe disso porque escorrega sempre em seu misticismo, mal que já o levou a adotar o comunismo, a astrologia, o islamismo, o gnosticismo e outros menos votados, o que revela também uma confusão mental dos diabos.

Como pode uma pessoa ser tão arrogante e tão ingênua ao mesmo tempo?

“Quem define os milagres como “fenômenos que a ciência não consegue explicar”, quer o faça para confirmá-los ou para negá-los, é um BURRO, talvez em caráter vitalício e irremediável. Nenhum fato ou fenômeno, real ou irreal, pode ser definido pela sua ignorância dele. Quem leva mais de cinco segundos para entender isso é mais burro ainda.

Milagre é uma ação que transcende, de maneira definitiva e irremediável, as possibilidades humanas, não tal ou qual estágio do desenvolvimento científico.

Por exemplo, trazer um morto de volta à vida. Talvez a ciência possa fazê-lo algum dia, porém jamais, em hipótese alguma sem nenhuma intervenção material no cadáver e por meio de uma simples ordem proferida em voz alta. Isso não transcende “as possibilidades da ciência atual”, mas de toda e qualquer ciência humana concebível pelos séculos dos séculos. Não se trata de uma impossibilidade relativa, mas de uma impossibilidade lógica absoluta, derivada da pura e simples autocontradição.

Por exemplo, quando o Pe. Pio fez uma menina sem pupilas enxergar, isso não transcende “as possibilidades atuais do conhecimento científico”, mas TODA E QUALQUER EXPLICAÇÃO MATERIAL CONCEBÍVEL PELOS SÉCULOS DOS SÉCULOS, porque ele devolveu a ela a visão SEM NENHUMA ALTERAÇÃO ANATOMOFISIOLÓGICA, por mínima que fosse. Isso não prova “uma limitação dos nossos conhecimentos científicos”, mas uma LIMITAÇÃO DA ESPÉCIE HUMANA, TRANSCENDIDA POR MEIO DA PRECE. Ponto final.”


sábado, 20 de agosto de 2016

Carta da Dilma ao Senado, do jeito que ela escreveu

video
Depois o Cardozo traduziu...

Caiu num concurso para a PF, alguém se arrisca?


Presidente de Angola é reeleito com 99,6% dos votos - Provavelmente os outros 0,4% foram mortos

José Eduardo dos Santos, presidente de Angola, cujo regime é a metástase do comunismo soviético, foi reeleito com 99,6% dos votos. Provavelmente os 0,4% que votaram contra, a essas alturas já estão mortos.

O cara está no poder há 36 anos, bem no estilo que Lula gosta, até porque, tal como o apedeuta, a filha do Zé dos Santos, Isabel dos Santos, também se tornou bilionária, no melhor estilo comunista de botequim. Usabel é classificada pela Forbes como a africana mais rica, com uma fortuna estimada de três bilhões de dólares.

Convém lembrar também que os petralhas despejaram muita grana nossa por lá, com direito a visita de Dilma e tudo.




Vídeo: O Jararaca endoidou de vez! Ou será excesso de cana?...

video

Até cocho para porcos casal Lula levou embora - estão usando em suas refeições

Deu no Claudio Humberto

Funcionários do Palácio Alvorada não esquecem das presepadas do período em que Lula foi presidente, mas contra ele não há relatos muito desabonadores. Porém, entre os que trabalharam naquela época, relatam em tom de crítica atitudes da ex-primeira-dama Marisa Letícia. Como quando ela mandou colocar nos caminhões de mudança objetos públicos. Não escapou até um cocho para servir milho aos porcos.
  
O cocho foi presenteado a JK, mas ganhou utilidade na presidência de José Sarney, quando d. Marli o transformou em uma graciosa floreira.

Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) indicou o sumiço de 1.450 itens durante o período em que o PT ocupou a presidência.

Comandando a saída do Alvorada, no fim do governo Lula, Marisa indicava objetos a serem embarcados nos 11 caminhões da mudança.


sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Lula ficou magoado porque não foi convidado para a cerimônia de abertura das Olimpíadas

“A coisa é tão grave que todo mundo sabe o esforço que eu fiz para trazer essa Olimpíada para o Brasil. E no dia da inauguração da Olimpíada eu me senti como o menino do filme Esqueceram de Mim. Ou seja, eu não estava presente numa festa em que fui responsável dela vir para cá.”
Lula em entrevista à BBC.

Que tal repararem esse “erro” convidando esse canalha para a inauguração da Paralimpíada (não me conformo com essa babaquice - é Paraolimpíada, pombas!), criando em homenagem a ele uma nova modalidade de esporte: “remoção de meleca sem o mindinho”.

Explico. O apedeuta foi aposentado por invalidez, após ter tomado um porre homérico e colocado propositalmente seu dedo mindinho da mão esquerda embaixo da prensa onde trabalhava como torneiro mecânico, prática quase habitual dos pelegos sindicalizados para fugirem do batente e garantirem seu futuro. Portanto, nada mais natural.

Que me desculpem os fantásticos atletas paraolímpicos pelo suposto mau gosto. Eles se superam e suprem suas deficiências com sobras de dar inveja a qualquer um. São superiores todos nós considerados “normais”. É óbvio que eu não desejaria a presença do Lula nem no enterro do meu pior inimigo.

O que me levou a tentar essa piada foi a certeza que esse canalha tem o pior tipo de deficiência que um ser humano possa ter: é um aleijão moral.


Desabafo

Eu já estou de saco cheio desse papo de “se fulano falar o que sabe de beltrano…”.

Chega de “se”, pombas! Até os paralelepípedos das ruas sabem que já há motivos suficientes para se engaiolar metade da classe política e isso só não acontece porque o STF tem prisão de ventre seletiva.

Eleições de Outubro: Brasil é o único país em que vereador tem salário - e tem 57.931 deles!

Eleições de Outubro: 63.499 vagas para 503.000 candidatos

O Tribunal Superior Eleitoral recebeu registros de 503.000 candidaturas a prefeito e vereador em todo o país, com exceção do Distrito Federal. Há, no Brasil, 5.568 vagas de prefeito e 57.931 de vereador.

Bom, prefeitos são necessários, mas vereadores... sei não. Para começar, entre os 181 países que fazem parte da ONU, em um só se paga salário a vereadores ou a pessoas que exercem funções equivalentes. Adivinhem qual.

No Brasil, até 1977, somente os vereadores de capitais recebiam salários. Para fazer média com os políticos depois de ter fechado o Congresso, Geisel estendeu o benefício aos demais vereadores. Nos 5.561 municípios havia um total de 60.267 vereadores até 2004, quando a Justiça Eleitoral cortou mais de oito mil vagas. O Congresso ameaçou aprovar uma Proposta de Emenda à Constituição que fixava em 57.295 o número de vereadores. Recuou e o número ficou em 50.653, mas tudo como que é porcaria vinga por aqui, voltou atrás de novo e hoje são esses absurdos 57.931.

Poderia ser o dobro disso, desde que pouco ou nada custassem aos nossos bolsos. Sabe quanto eles custam? Algo como R$ 5 bilhões anuais.

Como não consegui obter dados suficientes para calcular o prejuízo total que eles nos dão eu peguei dois exemplos:

De acordo com o portal da transparência da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, em 2015 consumiu cerca de R$ 561 milhões dos cofres públicos. Só para pagar salários foram gastos 278 milhões com pessoal (vereadores, servidores efetivos e comissionados) e encargos sociais, de um orçamento de R$ 398 milhões. Os funcionários comissionados equivalem ao dobro dos concursados: 1.415, ante outros 776 efetivos, de acordo com o Portal Transparência.

Mais incrível ainda é a média mensal dos gastos com os 55 vereadores na cidade de São Paulo, sem contar com os custos da Câmara: R$ 156.724 por vereador por mês (contra R$ 107.496 no Rio de Janeiro, o segundo mais alto), assim divididos: Salário médio dos vereadores - R$ 15.032; Verba indenizatória - R$ 19.922; Verba de gabinete (para contratação de assessores) - R$ 121.770. Ou seja, só com os “bonecos” são R$ 8 milhões por mês, ou R$ 96 milhões por ano! Some-se a isso as demais despesas e vão ver o quanto esse bando de parasitas custa para o bolso do contribuinte.

Imaginem quanto sai isso multiplicado por 5.568 (ponderadamente, claro)!


Colunista de O Globo diz que Brasil e França são sociedades mais promíscuas que o islã

De 15 em15 dias, metade da página “Opinião” de O Globo é ocupada pelos artigos de um islâmico radical, o jornalista Rasheed Abou-Alsamh, e nunca houve um só em que ele deixasse de criticar a nossa civilização judaico-cristã. Só que hoje ele extrapolou, e muito, ao classificar o Brasil e a França como “sociedades muito mais promíscuas” que o islã, em um texto onde ele protesta contra a proibição dos “burquínis” nas praias de Nice.

Como se não bastasse o mal que o islã dissemina no mundo inteiro, o celerado quer, ainda por cima, que os países que abrigam generosamente os fugitivos do inferno em que se transformou o Oriente Médio adaptem-se aos maus usos e costumes dessa infame civilização islâmica, em uma absurda e ridícula inversão de valores.

Mas voltemos à promiscuidade citada pelo rapaz. Um islâmico pode se casar com até quatro mulheres livres ao mesmo tempo, sendo que pode divorciar-se de uma delas e casar-se com uma quinta, desde que não mantenha mais do que quatro esposas ao mesmo tempo. Além disso, pode ter sexo com um número ilimitado de moças escravas e concubinas. Se Rasheed se desse ao trabalho de consultar um dicionário em vez do Corão, veria que promiscuidade significa “relacionamento sexual não monogâmico, com muitos parceiros diferentes”.

O Sura 4.3 (um capítulo do Alcorão) diz: “Se você tem medo de não poder tratar com justiça os órfãos, case-se com as mulheres que você escolher, duas ou três ou quatro, mas se você tem medo de não poder agir com justiça [com elas], então somente uma, ou aquela que a sua mão direita possui que seja mais apropriada, para evitar que você cometa injustiça”.

“Pois se um homem comprar uma moça escrava, o contrato de compra inclui o seu direito de ter sexo com ela” - Abd Ar Rahman Al Gaziri em seu livro Al-Fiqh ala al-Mazahib al-Arba’a.

Quem é promíscuo nessa história, cara-pálida?

Quanto ao título do artigo, “Respeite as mulheres muçulmanas”, dirigido aos “promíscuos” ocidentais, eu me arrisco a dizer que quem não respeita as mulheres islâmicas são eles mesmos. Nós as respeitamos, sim, tentando livrá-las da escravidão a que são submetidas através de medidas que podem ser restritivas aos olhos vesgos do islã, mas são libertadoras e valorizadoras da independência feminina.

Querem provas desse desrespeito? Então, com a ajuda do Doutor Salim Almahdy, vamos começar com as palavras do próprio Maomé:

“A mulher é um brinquedo, quem quiser levá-la, deve cuidar dela” - Ahmed Zaki Tuffaha em Al-Mar’ah wal-islam (A Mulher e o Islamismo);

“Os homens têm autoridade sobre as mulheres porque Alá fez um superior à outra” - Sura 4.34;

“Deus estabeleceu a superioridade do homem sobre a mulher pelo verso acima (Sura 4.34), o que não permite a igualdade entre o homem e a mulher. Porque aqui o homem está sobre a mulher devido à sua superioridade intelectual...” - Ahmed Zaki Tuffaha em Al-Mar’ah wal-islam (A Mulher e o Islamismo);

E mais:

“Certa vez, o Apóstolo de Alá disse a um grupo de mulheres: ‘Não conheço ninguém mais deficiente em inteligência e religião do que vocês. Um homem prudente, sensível pode ser desencaminhado por qualquer uma de vocês’. As mulheres perguntaram: ‘Ó Apóstolo de Alá, qual a deficiência da nossa inteligência e da nossa religião?’ Ele disse: ‘Não é a evidência de duas mulheres igual ao testemunho de um homem?’ Elas responderam que sim. Ele disse: ‘Essa é a deficiência da sua inteligência’... ‘Não é verdade que as mulheres não podem orar nem jejuar durante a menstruação?’ As mulheres responderam que sim. Ele disse: ‘Essa é a deficiência da sua religião’” - Este é um dos muitos Hadith, que significam ensinos, palavras e atos de Maomé, constante do livro de Sahih Al Bukhari, que os muçulmanos consideram o livro mais autêntico depois do Alcorão;

“As mulheres são mal agradecidas aos seus maridos pelos favores e o bem [atos de caridade feitos a elas]. Se você sempre tiver sido bom [benevolente] a alguma delas e então ela vir alguma coisa em você [que não seja do agrado dela], ela vai dizer: ‘Nuca recebi nenhum bem de você’” - Sahih Al Bukhari;

“A mulher é como uma costela; se você tentar endireitá-la, ela se quebra. Portanto, se você quer tirar proveito dela, faça-o mesmo sendo ela defeituosa” - Sahih Al Bukhari;

“A virgem pode ser obrigada por seu pai a ser dada em casamento sem ser consultada” - Ibn Timiyya (conhecido entre os muçulmanos como o xeque do islamismo);

“Mesmo a virgem adulta, o pai pode obrigá-la a casar-se” - Ibn Timiyya;

“O pai pode consentir em dar a sua filha em casamento sem a permissão dela, porque ela não tem escolha, exatamente como Abu Bakr El Sedick [o primeiro Califa depois de Maomé e seu sogro] fez com sua filha, Aisha, quando ela estava com seis anos de idade. Ele a deu em casamento ao profeta Maomé sem a permissão dela”. Aisha disse: “O mensageiro de Alá tomou-me como sua noiva quando eu tinha seis anos, e tomou-me como sua esposa quando eu completei nove anos de idade” (Ele estava com 54 anos de idade quando casou-se com ela) - Ibn Hazm em Al-Muhalla (O Adocicado);

“O entendimento aceito nas diferentes escolas de jurisprudência é que aquilo que foi contratado no casamento é para o benefício que o homem pode ter da mulher e não o contrário” (os seguidores do Imã Malik declararam que o contrato de casamento é um contrato de propriedade do benefício do órgão sexual da mulher e do resto do seu corpo) - Abd Ar Rahman Al Gaziri em Al-Fiqh ala al-Mazahib al-Arba’a;

“O direito ao prazer sexual pertence ao homem, não à mulher; isto quer dizer que o homem tem o direito de forçar a mulher a gratificá-lo sexualmente. Ela, por sua vez, não tem o direito de forçá-lo a fazer sexo com ela, a não ser uma vez (na vida). Mas, ele precisa, do ponto de vista da religião, fazer sexo com ela para protegê-la de ser moralmente corrompida” - seguidores do Imã Abu Hanifa.

E depois disso o sujeitinho asqueroso ainda quer nos dar lições de respeito às mulheres?

Eis o artigo do celerado:

Respeite as mulheres muçulmanas - Rasheed Abou-Alsamh

A recente decisão do prefeito de Nice, na França, de banir das suas praias o burquíni (um maiô que cobre por inteiro o corpo da mulher) é mais um ato discriminatório contra muçulmanos em nome dos direitos humanos e da liberdade. Já tive uma discussão com uma amiga brasileira sobre isso na internet, li um colunista argumentar contra o hijab, e ontem ouvi dois homens atrás de mim na fila do supermercado discutindo como o mundo tinha que liquidar os muçulmanos extremistas no Oriente Médio e acabar com o hijab das mulheres árabes, que as fazem parecer escravas.

Hijab em árabe quer dizer “cobertura”, e o conceito vem do Alcorão. Nele, Alá pede que mulheres se cubram quando saem de casa para se proteger de olhares alheios. “Ó profeta, dizei a vossas esposas, vossas filhas e às mulheres dos crentes que, quando saírem, que se cubram com suas mantas; isso é mais conveniente, para que se distingam das demais e não sejam molestadas; sabei que Deus é indulgente, misericordiosíssimo.”

É compreensível que pessoas de sociedades muito mais promíscuas, como o Brasil e a França, não entendam o uso do hijab. E que vejam isso como uma restrição à liberdade das mulheres de escolher como se apresentar ao mundo, uma limitação sobre o corpo delas. E, de certo modo, é uma restrição sim. Mas uma restrição que veio do olhar masculino que quer devorar tudo do sexo oposto. Mulheres muçulmanas que usam o hijab se sentem protegidas por ele, e mais valorizadas, ou o exato oposto do que os autodenominados “libertadores” do Ocidente pensam.

“As pessoas muitas vezes desprezam as mulheres muçulmanas como incapazes de ter poder ou identidade simplesmente porque elas usam hijab,” disse a fotógrafa americana Yumna Al-Arashi, de ascendência iemenita, ao “Huffington Post”. “Eu acredito que a emancipação das mulheres não exige a adesão a certa maneira de vestir — se é hijab ou biquínis. Definir emancipação com base na aparência física não está ligado ao sentido mais verdadeiro da palavra. Emancipação das mulheres permite a elas terem direitos iguais em todos os domínios, não importa como se vestem.”

O banimento do burquíni nas praias francesas, no entanto, não permite às muçulmanas que usam o hijab a opção de tomar banho de mar e nadar no Mediterrâneo. Isso para mim é uma violência contra mulheres, tão ruim e errada quanto forçá-las a usar o véu. Toda muçulmana deveria ter o direito de usar ou não o hijab. Essa liberdade é essencial em sociedades livres como a nossa aqui no Brasil, e deveria ser também na França. Ditar o que uma mulher pode ou não vestir na praia me lembra os muttawas, policiais religiosos na Arábia Saudita que vão atrás de mulheres em shoppings para ter certeza que nem um fio de cabelo está exposto.

“Sociedades fortes podem lidar com costumes e vestimentas diferentes. Se uma mulher muçulmana quer ir à praia usando um burquíni, isso não a faz uma ameaça à sociedade ocidental. Os reais inimigos da liberdade não são as portadoras de burquínis, mas os políticos que querem bani-los,” escreveu Juliet Samuel no “Daily Telegraph”.

Aqui no Brasil, não existe restrição oficial alguma ao hijab, mas há muita discriminação contra as mulheres brasileiras que o usam. Muçulmanas têm sido atacadas verbalmente nas ruas, sendo chamadas de terroristas e mulheres-bomba. E houve o caso da estudante de Direito Charlyane Silva de Souza, que foi impedida de fazer a prova da OAB em São Paulo em março de 2015 porque era muçulmana e cobria seus cabelos com um hijab.

Mulheres sauditas, que são obrigadas a usar o hijab no reino, estão ganhando mais espaço na vida pública, especialmente na área de esportes. Nesta Olimpíada do Rio, quatro mulheres sauditas estão competindo, todas cobertas da cabeça aos pés. É claro que isso traz desvantagens para elas por causa do calor e da umidade da cidade. Mas também é um triunfo para as sauditas, que só começaram a participar dos Jogos em 2012 em Londres, depois que o Comitê Internacional Olímpico ameaçou banir a Arábia Saudita e qualquer outro país que não tivesse mulheres competindo. A princesa Reema Bint Bandar Al Saud, que foi nomeada recentemente chefe de esportes para mulheres no reino, esteve no Rio esta semana acompanhando as atletas sauditas. Numa entrevista coletiva, ela prometeu que trabalharia a fim de legalizar academias para mulheres no país, que até hoje operam na semilegalidade, e a desenvolver espaços esportivos para o treinamento de atletas sauditas.

Até os Estados Unidos têm nesta Olimpíada uma atleta muçulmana competindo de hijab, Ibtihaj Muhammad, que ganhou uma medalha de bronze na esgrima. Muito alegre e animada, ela disse numa entrevista à TV que não via o véu como impedimento para praticar esportes. “Muitas pessoas não acreditam que as mulheres muçulmanas tenham voz ou que participem do desporto,” disse ela numa entrevista ao “USA Today”. “E não é só para desafiar equívocos fora da comunidade muçulmana, mas dentro da comunidade muçulmana. Eu quero quebrar as normas culturais.”

Com véu, sem véu; de burquíni ou de biquíni, a mulher muçulmana tem o direito de fazer suas próprias escolhas e de ser respeitada. Pessoas como o prefeito de Nice, que atacam mulheres por usar o véu, estão desrespeitando a inteligência, vontade própria e liberdade dessas mulheres. Forçá-las a não usar o véu não é um avanço social, mas sim uma violência e um desrespeito de enormes proporções.



Educação, vergonha nacional: Livros didáticos retratam Lula como herói

7 exemplos de como Lula é retratado como herói nos livros didáticos brasileiros

Rodrigo da Silva, no site Spotnicks

Em meio às discussões envolvendo o Projeto Escola Sem Partido (PLS 193/2016, PL 1411/2015 e PL 867/2015), que promete combater o que os seus autores entendem como manipulação ideológica em sala de aula, não são raros os casos de obras didáticas de história e geografia, disponibilizadas a milhões de estudantes do ensino médio e fundamental da rede pública de ensino, prestando homenagens a um super-herói da vida pública brasileira: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Há inúmeros casos estapafúrdios, como no livro “História para o Ensino Médio”, da Editora Saraiva, adotado em todo país. Nele, entre outras peças de propaganda, os escândalos dos governos petistas são encarados como meros conchavos de oposição.

“O caso conhecido como ‘mensalão’, amplamente explorado pela imprensa liberal de oposição ao petismo, foi a denúncia mais grave do período. O PT foi acusado de organizar um esquema de compra de parlamentares para apoiar os projetos do governo, e a denúncia tomou a proporção de um escândalo sem precedentes. Os setores conservadores da sociedade e da imprensa passaram a atacar o governo diuturnamente”.

A história se repete outras tantas vezes. Para os autores do livro “Caminhos do Homem”, da editora Base Editorial, por exemplo, o governo Lula foi um tremendo sucesso. Para eles, “os grandes avanços obtidos em várias áreas” e a “ampliação de programas sociais que favorecem os mais pobres” são “indicadores amplamente positivos do governo Lula” – por isso, suas duas vitórias eleitorais “simbolizaram a vitória de um projeto social alternativo para a consolidação da cidadania plena no país”.

Nem o Plano Real, capitalizado politicamente pelo maior adversário político de Lula, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, escapa. No livro “Novo Olhar História”, da editora FTD, por exemplo, o trecho que fala sobre o plano econômico já traz no título um olhar tendencioso: “Plano Real e seus custos sociais”.

Os exemplos são inúmeros. Abaixo, separamos outras 7 vezes em que Lula entrou para os livros didáticos brasileiros como um super-herói (e como seus adversários são os arqui-inimigos do país).

1.  “História e Vida Integrada”

O livro “História e Vida Integrada” é um best seller do mercado de livros didáticos do país. Publicado pela Editora Ática, com autoria dos irmãos Nelson Piletti e Claudino Piletti, é destinado ao alunos do 9º ano do ensino fundamental (a antiga 8º série).
Livros didáticos aprovados pelo Ministério da Educação para alunos do ensino fundamental trazem críticas ao governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e elogios à gestão de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Uma das exigências do MEC para aprovar os livros é que não haja doutrinação política nas obras utilizadas.

Em seu capítulo 19, o livro enumera problemas do governo FHC, como crise cambial e o apagão, e traz críticas às privatizações. No item “Tudo pela reeleição”, os autores citam denúncias de compra de votos no Congresso para a aprovação da emenda que permitiu a permanência do tucano no posto mais alto do país. O fim da gestão FHC aparece no tópico “Um projeto não concluído”, que lista dados negativos do governo.

A análise sobre Lula é completamente diferente. O livro cita a “festa popular” da posse e diz que o petista “inovou no estilo de governar” ao criar o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social. O escândalo do mensalão é citado ao lado de uma série de dados positivos.

O professor Claudino Piletti, coautor do livro, concorda que sua obra é mais favorável ao governo Lula. “Não tem o que contestar”, afirmou à Folha.

Claudino se desculpou dizendo que é responsável pela parte de história geral da obra e que a história do Brasil ficou a cargo de seu irmão, Nelson. Claudino assumiu que critica o irmão pela tendência pró-Lula e vai tentar convencê-lo a mudar a obra.

“Não dá para ser objetivo. O professor de história tem suas preferências, coloca sua maneira de pensar. Realmente ele [Nelson] tem esse aspecto, tradicionalmente foi ligado à esquerda e ao PT”, disse Claudino.

Nelson Piletti já foi candidato a deputado federal pelo PT.

2. “História em Documento”

O livro “História em Documento”, da historiadora Joelza Ester Domingues, foi publicado em 2007, pela Editora FTD. Na obra, que também é destinada aos alunos do 9º ano do ensino fundamental, ao analisar a eleição de FHC, a autora afirma que foi resultado do sucesso do Plano Real e acrescenta:

“Mas decorreu também da aliança do presidente com políticos conservadores das elites”.

Um quadro explica o papel dos aliados do tucano na sustentação da ditadura militar. Quando o assunto é o governo Lula, a autora – que diz ter sido imparcial – inicia com a luta do PT contra a ditadura (sustentada pelos aliados de FHC) e apenas cita que o partido fez “concessões” ao fazer “alianças com partidos adversários”.

Assim como “História e Vida Integrada”, o livro “História em Documento” foi aprovado pelo MEC em 2009. À época, o ministro da Educação, Fernando Haddad, disse que os livros eram imparciais e que tinham passado por seleção rigorosa.

3. “Estudos de Geografia”

O livro “Estudos de Geografia”, dos professores James Onnig e Ivan Lazzari Mendes, editado pela Saraiva, chamou a atenção do deputado federal, e delegado da PF, Fernando Francischini. Segundo ele noticiou em suas redes sociais no ano passado, ao estudar com seu filho o conteúdo do livro, teve uma surpresa: o livro era uma propaganda escancarada de Lula (e um manifesto de oposição aos seus adversários políticos).




O deputado postou as imagens acima, com algumas páginas do livro, em seu perfil no Facebook.

4. “História Geral e do Brasil”

Publicado pela Editora Spicione, o livro “História Geral e do Brasil”, dos historiadores Gianpaolo Dorigo e Cláudio Vicentino, pinta os mesmos quados comparativos. Nele, o PSDB é um partido “supostamente ético e ideológico” e os anos de Fernando Henrique foram tempos de desemprego, de “compromissos com as finanças internacionais”, em que “o crime organizado expandiu-se em torno do tráfico de drogas, convertendo-se em verdadeiro poder paralelo nas favelas”. E mesmo “dentro das prisões”, transformadas em “centros de gerenciamento do tráfico e do crime organizado”, acrescentam os autores.

O livro critica a prioridade “da poupança externa”, em detrimento da interna, durante o governo FHC. Para fundamentar sua postura, os autores citam o historiador americano marxista Perry Anderson, que teria qualificado a medida de “ingênua e provinciana”.
FHC fez alianças com “um partido supostamente ético e ideológico, o PSDB, e outros partidos supostamente fisiológicos, PFL, PMDB e PTB”.

A abordagem em torno do governo Lula, no entanto, é bem diferente. Os autores destacam a ascensão do PT ao governo, “um partido considerado de esquerda”. Para eles, a “observação de sua prática administrativa” constituíram “importante aprendizado político”.

O livro termina apresentando a tensão entre o Brasil “pessimista”, dos anos FHC, com os anos “otimistas” de Lula, e conclui com um prognóstico:

“As boas notícias nos últimos anos indicavam que talvez os anos do pessimismo a toda prova já tenham passado e, nesse caso, pode ser o momento do não negativo como um novo paradigma para o Brasil”.

5. “Projeto Coopera História”


O “Projeto Coopera História”, do PNLD 2016, é direcionado aos alunos do 5º ano do ensino fundamental e também não escapa da análise maniqueísta em torno dos recentes governos presidenciais. Sobre o primeiro mandato de FHC os autores dizem que:

“O programa de privatizações continuou de forma acelerada; entre as estatais vendidas incluíram-se empresas de telecomunicações, energia elétrica, mineração e setor financeiro.”

No livro do professor há a seguinte recomendação de acréscimo:

“Como exemplo de privatização, é possível citar a venda da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), da Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer) e a divisão do sistema Telebrás.”

O livro elege e enumera outros pontos negativos do governo além da venda de estatais: apagão de energia, aumento das dívidas interna e externa, crescimento do desemprego, desigualdade na distribuição de renda, corrupção no processo da reeleição e favorecimento aos grupos financeiros.

Ao falar dos governos Lula, no entanto, a abordagem é bem diferente:

“Ele foi o primeiro presidente originário das camadas mais pobres da população.”

Em seguida, diz que o maior desafio dele foi combater a miséria e o desemprego. Para tanto, “buscou garantir à população mais carente direitos essenciais.”

Além de oferecer “bolsas de estudo para jovens pobres em universidades particulares”, o presidente Lula combateu a seca na região Nordeste e promoveu a integração nacional.

E no último parágrafo, afirma que “o governo Lula teve como principais marcas a retomada do crescimento do país, a redução da pobreza e da desigualdade social, a estabilidade econômica, o fortalecimento do país nas relações internacionais.”

O livro do professor, como subsídio argumentativo sugere ao professor “comentar com os alunos que o Bolsa Família ajudou, de certa forma, na educação e na saúde das crianças, pois as famílias beneficiadas pelo programa eram obrigadas a manter os filhos na escola e levá-los aos postos de vacinação.”

Sobre os escândalos de corrupção, o livro desdenha:

“Alguns escândalos políticos prejudicaram a imagem do governo, no entanto os bons resultados obtidos possibilitaram que, em 2006, Lula fosse reeleito para seu segundo mandato.”

Dilma, por sua vez, é apresentada como “a primeira mulher presidente do país” (o negrito é do próprio livro, para marcar a importância do acontecimento). Na comparação com o governo Lula, seu governo possibilita a continuidade dos programas sociais como o Bolsa Família e ainda acrescenta outros. Ela também é retratada como alguém que aumentou o nível de emprego e o valor do salário mínimo; diminuiu o desmatamento da Amazônia; reduziu a pobreza, as desigualdades sociais e a mortalidade infantil.

Os autores também procuram isentar a presidente Dilma dos pontos negativos de seu governo, creditando-os às circunstâncias de percurso. A queda no crescimento do país, por exemplo, é em virtude da crise mundial – e não por políticas econômicas equivocadas – e pela demissão de ministros envolvidos em corrupção.

No livro do professor, há uma orientação para o professor:

“Comentar com os alunos que, o Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, em 2014 se conseguiu no Brasil a primeira geração de crianças sem fome, quebrando o ciclo de pobreza que há séculos domina a história do país.”

O livro é direcionado para crianças na faixa dos dez anos de idade.

6. Vestibular da Universidade Federal do ABC

Em 2013, Lula recebeu o título de doutor honoris causa da Universidade Federal do ABC.

A Universidade Federal do ABC foi escolhida para ser o carro-chefe da propaganda em torno dos projetos de expansão das universidades federais durante os governos Lula e Dilma. Criada por Lula, em 2005, no seu berço político, a região do ABC, a instituição virou uma espécie de “queridinha” do ex-presidente.

Desde seu nascimento, no entanto, a instituição não escapa do proselitismo político. Logo em seu primeiro vestibular, em 2006, a UFABC apresentou textos com apoio ao presidente Lula.

“A prova é uma propaganda para o governo Lula”, afirmou na época o professor de história da UFSCar, Marco Antonio Villa. “No que diz respeito ao país, foram escolhidas apenas notícias positivas.”

Em discussão no vestibular, a auto-suficiência do país em petróleo, a diminuição das queimadas no interior paulista e o aumento da expectativa de vida dos brasileiros. A prova usou como base notícias publicadas pela imprensa.

Numa questão, o candidato deveria “analisar” o convite das centrais sindicais CUT e Força Sindical para a comemoração do Dia do Trabalho.

O selo da CUT dizia: “Valorize o emprego e a ampliação dos direitos”. Segundo o gabarito oficial, a resposta era a que afirmava que “a CUT defende o emprego e a reeleição de Lula à Presidência da República”.

“A resposta faz uma defesa da CUT e uma ligação subliminar entre a reeleição do presidente e a luta pelo emprego”, afirmou o professor de história Ciro de Moura Ramos. “É uma questão ideológica, imperdoável”.

O vestibular foi feito pela Vunesp, que negou que a prova tivesse qualquer apoio à gestão Lula.

Em 2013, Lula recebeu o título de doutor honoris causa da Universidade Federal do ABC.

7. “Estudos de História”

Outra obra que possui viés maniqueísta da história é o livro “Estudos da História”, da editora FTD. Como conta Fernando Schüler cientista político, professor e doutor em filosofia:

“No livro Estudos de História, da Editora FTD, por exemplo, nossos alunos adolescentes aprenderão o seguinte sobre o governo de Fernando Henrique: era neoliberal (apesar de “tentar negar”) e seguiu a cartilha de Collor de Melo; os “resultados dessas políticas foram desastrosos”. Na sua época, havia “denúncias de escândalos, subornos, favorecimentos e corrupção” por todos os lados, mas “pouca coisa se investigou”.

Nossos alunos saberão que “as privatizações produziram desemprego”, e que o país assistia, naqueles tempos, ao aumento da violência urbana e da concentração de renda e à “diminuição dos investimentos”. E que, de quebra, o MST pressionava pela reforma agrária, “sem sucesso”.

Na página seguinte, vem a luz. Ilustrado com o decalco vermelho da campanha “Lula Rede Brasil Popular”, o texto ensina que, em 2002, “pela primeira vez” na história brasileira, alguém que “não era da elite” é eleito presidente. E que, graças à “política social do governo Lula”, 20 milhões de pessoas saíram da miséria. Isso tudo faz a economia crescer e, como resultado: “telefones celulares, eletrodomésticos sofisticados e computadores passaram a fazer parte do cotidiano de milhões de pessoas, que antes estavam à margem desse perfil de consumo”.

Lendo isto, me perguntei se João Santana, o marqueteiro do PT, por ora preso em Curitiba, escreveria coisa melhor, caso decidisse publicar um livro didático.”

Não resta dúvida: ainda há muita coisa que os nossos marqueteiros políticos precisam aprender com os autores dos livros didáticos tupiniquins. Neles, um super-herói com o poder de discursar em palanques eleitorais reina absoluto. Como se tudo não passasse de uma saga em quadrinhos.